quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Emparn prevê grande chance de continuidade da seca no RN


Emparn prevê grande chance de continuidade da seca no RN
Órgãos do governo e Federação dos Municípios se reúnem para discutir possível estiagem em 2015
Foto: José Aldenir

A previsão não é nada boa para o sertão potiguar. Mas ainda há uma margem de esperança. No 17º Workshop Internacional de Avaliação Climática realizado nesta semana em Fortaleza (CE), o prognóstico foi de mais um ano de chuvas abaixo da média.
Na tentativa de deixar o governo em alerta, a Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn) apresentou esse relatório a representantes de órgãos estaduais hoje pela manhã no prédio da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Pesca (Sape/RN). Defesa Civil, Secretaria de Assuntos Fundiários e apoio à Reforma Agrária (Seara), Instituto de Gestão de Águas do Rio Grande do Norte (Igarn), Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do (Emater) dentre outros. Um das faltas sentidas foi da Caern. A Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte (Femurn) também enviou representante.
Apesar da previsão ruim, o gerente de meteorologia da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn), Gilmar Bristot, ressalta que o resultado ainda não é o definitivo para a estação chuvosa do semiárido. “Não é um relatório conclusivo porque poderemos ter algumas mudanças no Atlântico Sul. Essas mudanças podem ser tanto para melhor quanto para pior”, disse.
No próximo mês, haverá mais uma reunião dos meteorologistas dessa vez em Natal. Segundo Bristot, é a ocasião na qual saíra uma previsão mais próxima do real para o período que tradicionalmente deveria ser de chuva no sertão – final de fevereiro, março, abril e maio.
O responsável por coordenar as ações emergenciais de convivência com a seca é o titular da Sape/RN, Haroldo Abuana. Faltando pouco mais de um mês da estação chuvosa, ele falou que o momento ainda é de articulação dos órgãos e que só depois da confirmação da previsão de seca anunciará medidas. “Se nós não convergimos com essas ações, se as ações forem dispersas. Cada órgão faz o seu, as ações não vão surtir efeito”, disse depois da reunião em que cada órgão comentou sobre suas medidas. “Na próxima reunião teremos coisas concretas com relação a isso”, finalizou.
Segundo ele, a reunião de hoje não foi do Comitê Estadual de Combate aos Efeitos da Seca, embora muitos órgãos ali representados o compusessem. Inclusive, um dos pontos discutidos foi a mudança do nome. De acordo com sugestões, o Estado passaria a ter o comitê de “convivência com a seca”.
Na hipótese de as previsões indicarem chuvas abaixo do normal, seria o quarto ano seguido que os estudos apontam nesse sentido. Conforme o gerente de meteorologia da Emparn, desde 2012 o Rio Grande do Norte registra anos seguidos de seca. O último ano de inverno considerado “chuvoso” foi em 2008 quando as chuvas em excesso também atrapalharam o homem do campo, como, por exemplo, a destruição de estradas essenciais para o escoamento da produção no Vale do Açu.
O prefeito de Assu, Ivan Júnior, foi o representante da Femurn na reunião. Ele contou que a população já está angustiada com a perspectiva de mais um ano de estiagem. Obviamente não são apenas os pequenos produtores que sofrem. Embora as grandes empresas produtoras de frutas dependam apenas da irrigação, segundo o prefeito, um número considerável tem sido prejudicadas.”Muitas empresas de fruticultura estão indo embora do Estado com essa seca prolongada”, acrescentou.
Na oportunidade, o Igarn anunciou que as principais barragens do Estado – Santa Cruz, Umari e Armando Ribeiro Gonçalves – estão com níveis médios que chegam a 35% da sua capacidade. Diante da possibilidade de seca, a situação é extremamente preocupante.
Poços não instalados
O Rio Grande do Norte possui cerca de 1.700 poços perfurados, mas não instaladas. Eles estão dispersos pelo Agreste, Oeste e Seridó. A informação é da coordenadora de hidrogeologia da Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Humanos (Searh), Telma Tostes Barroso.
Isso acontece porque o governo estadual tem equipamentos para a perfuração, mas a instalação depende de quem solicitou. Segundo Telma, boa parte dos solicitantes são sindicatos rurais e assentamentos. “Nós temos maquinário para perfurar, mas não temos recursos para instalar”, acrescentou.
Os poços são uma das alternativas bastante solicitadas em momento de desespero da população que depende da terra. Mas muitas vezes quem solicitou não tem o dinheiro necessário para fazer a instalação, ou seja, fazer o poço funcionar. De acordo com a coordenadora de hidrogeologia o valor médio de instalação é de R$ 23 mil. Isso inclui, no mínimo, um catavento e um reservatório de água na superfície.
Uma das alternativas encontradas para amenizar o sofrimento da população tem sido a assinatura de termos de cooperação com os municípios que só se iniciou ano passado. “As prefeituras entram com o material e a gente entra com o pessoal e maquinário”, acrescentou.

 marcelolimanatal@yahoo.com.br/ jornaldehoje.com

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Robinson Faria faz visita surpresa ao hospital Walfredo Gurgel: “É pior do que eu pensava”

Ele lembrou da necessidade de construir o Hospital de Trauma de Natal e valorizar os servidores

Foto: José Aldenir
Foto: José Aldenir
O governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria, realizou a terceira visita de uma série que pretende contemplar todos os hospitais da rede estadual. Depois da visita feita ao Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel, hoje pela manhã, o chefe do Executivo Estadual deu um diagnóstico antigo e que muitos cidadãos já conhecem sobre o maior pronto-socorro do Estado. 
“É muito pior do que eu pensava. É um drama. As pessoas estão perdendo o pé porque o Estado não tem campanhas pedagógicas para prevenir o agravamento de doenças como o diabetes. Isso é uma coisa desumana, um pai de família perder um órgão e deixar de trabalhar porque o Estado não cumpriu o seu papel”, acentuou o governador.
Ele disse também que a equipe da Secretaria Estadual de Saúde Pública estuda medidas emergenciais para o hospital, mas não disse quais seriam e que muito em breve as divulgaria.
A situação descrita por Faria é bem ilustrada pelo que a aposentada Lúcia Lucas da Silva, de 67 anos, está passando. Ela sofreu uma queda há dois meses e estava com uma ferida no pé que não cura. O motivo: ela é diabética. Em Macaíba, onde mora, não teve a assistência adequada e ontem decidiu ir para o Walfredo Gurgel.
O médico informou a sua filha que não há previsão de quando ela será transferida para o Hospital Ruy Pereira. A senhora também foi uma das pacientes internadas em macas com quem o governador conversou. Ele perguntou de onde ela veio e qual seu problema. Logo depois de ver o pé completamente escurecido recorreu ao secretário de saúde, Ricardo Lagreca. Os dois conversaram por alguns segundos e partiram.
Com lágrimas nos olhos diante da possibilidade de perder o pé – ou até sua perna – a aposentada falou para nossa equipe: “agora eu espero que ele ajude a gente, porque quando ele precisou a gente ajudou ele. Eu queria que ele me tirasse daqui”.
Para evitar casos como o de dona Lúcia, o governador falou que o Estado precisa de um programa contínuo de prevenção de diabete e hipertensão. “O Estado não é eficaz nesse trabalho preventivo, não só pedagógico, mas também de entregar medicamentos em tempo para evitar de amputarem órgãos”.
A idosa também era uma das muitas que estavam internadas em macas pelos corredores. Aliás, o corredor da Clínica Médica do Clóvis Sarinho estava com ventilação insuficiente. Cerca de  35 pacientes estavam internados por lá e todas reclamavam do calor. “São pessoas nos corredores esperando semanas ou até meses esperando por uma simples cirurgia ortopédica ou uma simples cirurgia eletiva”, nas palavras do próprio Chefe do Executivo Estadual.
Hospital de Trauma
O governador e o secretário estadual de saúde também falaram da necessidade de um hospital de trauma. Segundo o auxiliar de Robinson, muito provavelmente isso ocorrerá com a redefinição do perfil do Hospital Walfredo Gurgel. “A curtíssimo prazo, o Walfredo pode se tornar esse hospital”, disse Lagreca.
“Já estamos cuidando disso. Vamos ver qual a modalidade mais rápida de entregar essa hospital de trauma ao povo de Natal, ao do Rio Grande do Norte. Se for no caso de buscar uma parceria público-privada, nós vamos buscar. O que interessa ao povo é ter eficiência, não interessa a modalidade”.
Segundo o governador também haverá a necessidade, de outro hospital para o pronto-atendimento. “Um hospital de primeiros atendimentos, atendimentos clínicos e cirurgias eletivas. Ou seja, vamos fazer uma separação, uma redefinição do perfil de cada hospital”, disse.
fonte:   Marcelo Lima (marcelolimanatal@yahoo.com.br) -http://jornaldehoje.com.br

MPF recomenda Prefeitura de Lajes aplicar sanções por obras inacabadas


Município chegou a acionar empresa por atraso, mas não adotou medidas previstas em lei
Benes Leocádio, prefeito de Lajes. Foto: DivulgaçãoO Ministério Público Federal (MPF) em Assu recomendou ao prefeito de Lajes, Benes Leocádio, que adote maior rigor quanto a atraso e inexecução de obras realizadas pelo Município com recursos federais. A recomendação alerta que a Lei das Licitações (8.666/93) prevê diversas sanções que vão de advertência e multa, até a rescisão do contrato e cobrança judicial dos prejuízos, quando as empresas não concluem os serviços, ou atrasam os trabalhos injustificadamente.
O documento, assinado pelo procurador da República Victor Queiroga, recomenda a aplicação de sanções à GTA Construções Ltda. – ME. Um inquérito civil comprovou que a empresa, escolhida em 2010, não cumpriu o contrato celebrado com a Prefeitura de Lajes para a construção de um pórtico na entrada da cidade, com recursos do Ministério do Turismo.
O Município, inclusive, ajuizou uma ação ordinária buscando a retomada das obras, mas não adotou nenhuma sanção. Prefeitura e empresa celebraram um acordo judicial determinando a rescisão consensual, porém o Ministério Público Federal adverte que tal decisão não afasta o dever de aplicação das medidas previstas na Lei de Licitações.
O MPF alerta, porém, que antes de qualquer punição é necessário a instauração do devido processo administrativo, em que seja assegurada ampla defesa à empresa responsável. O Município terá um prazo de 20 dias, após o recebimento da recomendação, para comprovar a adoção das medidas. A Procuradoria da República em Assu solicitou ainda informações à Caixa Econômica sobre a retomada, ou não, da obra do pórtico, prevista em um convênio de 2008 com o Ministério do Turismo.
fonte: http://jornaldehoje.com.br/mpf-recomenda-prefeitura-de-lajes-aplicacao-de-sancoes-por-obras-nao-concluidas%E2%80%8F

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Dilma recebe Robson e Fátima

Foto de Fátima Bezerra.Presidenta Dilma recebe Fátima e Robinson Faria
A presidenta Dilma Rousseff recebeu, nesta terça-feira (13), no Palácio do Planalto, o governador do Estado Robinson Faria, a senadora Fátima Bezerra e o deputado Fabio Faria.
Na reunião, a presidenta Dilma parabenizou Robinson e Fátima pela vitória e desejou sucesso nessa nova etapa, bem como reafirmou seu compromisso em ampliar a parceria do Governo Federal em prol do desenvolvimento do Rio Grande do Norte. Na ocasião, Fátima disse para a presidenta que ficou muito feliz com a escolha do novo lema do governo federal: Brasil, Pátria Educadora, e adiantou que, no Senado, a luz do Plano Nacional de Educação, irá dar sua contribuição no novo ciclo de avanços da educação brasileira. “Este será um novo ciclo com mais creches, mais educação em tempo integral, mais ensino superior, mais escolas técnicas e mais valorização do professor”, declarou Fátima.
Foto de Fátima Bezerra.

Enem 2014: 529 mil candidatos tiraram zero na redação

O balanço final da edição de 2014 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) foi divulgado no início da tarde de hoje (13), pelo ministro Cid Gomes e pelo presidente do Inep, Francisco Soares. Dos 6.193.565 candidatos que realizaram as provas, 529.374 tiveram nota zero na redação, o equivalente a 8,5% dos candidatos. Somente 250 candidatos tiveram nota máxima na redação. Dentre o número de provas que tiveram a nota zero, 248.471 redações foram anuladas devido a falhas diversas, como assinatura. Além dos 250 que tiveram nota máxima, mais de 35 mil alunos obtiveram notas entre 901 e 999. As notas de cada um dos 6.193.565 participantes serão divulgadas nesta terça-feira (13). Contudo, o Inep não confirmou o horário em que as informações estarão disponíveis no site da instituição. Os resultados poderão ser conferidos aqui. "O tema de 2013 foi Lei Seca, essa questão foi muito debatida, muito discutida, a mídia focou muito no tema. O tema agora, publicidade infantil, não é um tema que teve um grande processo de discussão como teve o de 2013", avaliou o ministro da Educação, Cid Gomes. "Não diria [que o tema foi] mais difícil, mas sem dúvida, foi um tema que não teve um grau de discussão nacional como o tema de 2013". O tema de 2013 foi "Os efeitos da implantação da Lei Seca no Brasil". Segundo o ministro a queda merece a atenção da academia para que se entenda o por que, já que, de acordo com ele, em um ano, não houve grandes variações de financiamento ou de corpo docente no ensino médio suficientes para explicar a queda de desempenho.

Expectativa 
Desde cedo, estudantes que participaram do exame tentam acessar as notas individuais. Contudo, o site do Inep só disponibiliza até o momento os dados até o ano de 2013. Pelo Twitter, o Inep comunicou que os resultados individuais podem sair até o fim do dia. Nas redes sociais, muitos estudantes reclamaram por causa do 'atraso' na divulgação das notas. Mais de 205 mil estudantes potiguares se inscreveram para a prova. O número de faltosos no estado ainda não foi divulgado, mas o índice nacional de abstenções é de 28,6% em 2014. Para ter acesso à pontuação, os candidatos precisam do número de inscrição ou do CPF e da senha criada no momento da inscrição. Esse código também é usado para o cadastro em programas de acesso ao ensino superior, bolsa de estudos e de financiamento estudantil.O candidato pode acessar sua nota através do site do Inep. Nessa primeira edição serão ofertadas 205.514 vagas em todo o Brasil, para 5.631 cursos de 128 instituições públicas de educação superior. A UFRN vai oferecer 6.878 vagas para ingresso nos dois períodos letivos (4.434 para 2015.1 e 2.444 para 2015.2), enquanto o IFRN, 652 vagas, já que ainda usa processo seletivo próprio para ingresso em cerca de 50% de suas vagas. A consulta de vagas já está disponível no site http://sisu.mec.gov.br/, por município, nome da instituição ou curso. Os interessados podem acessar a página antes da abertura das inscrições para buscarem pelas instituições e cursos oferecidos. As inscrições do Sisu serão realizadas exclusivamente no portal do MEC entre os dias 19 e 22 deste mês. No site, a primeira coisa a fazer é confirmar os dados. A partir de então, o sistema vai atualizar diariamente o resultado da primeira chamada, que deve ser divulgado no dia 26 de janeiro. 

Enem 2014 constata piora em redação e matemática no ensino médio

Os concluintes do ensino médio têm queda de 7,3% no desempenho da prova de matemática do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2014, em relação a 2013. Em redação, a queda foi de 9,7%, segundo dados divulgados hoje (13) pelo Ministério da Educação (MEC). Do total de 6.193.565 candidatos que fizeram as provas, em novembro do ano passado, 1.485.320 concluíram o ensino médio no final do ano. Nas demais disciplinas avaliadas no Enem, houve melhora no desempenho: ciências humanas teve melhora de 2%; ciências da natureza, 5,4%; e linguagens e códigos, 3,9%.MEC e Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) ainda não têm uma avaliação clara do porquê da piora. Segundo o ministro da Educação, Cid Gomes, cabe à academia analisar os dados.Gomes disse que pretende discutir a utilização dos resultados no Enem para elaborar políticas públicas para o ensino médio. A intenção é incluir o Enem como parte dos indicadores, junto com avaliações como a Prova Brasil, a cada dois anos. "Não dá para fugir, tentar camuflar Não dá para dizer que o ensino público brasileiro é bom, está muito aquém do desejável", disse.A chamada Média ProUni, calculada sobre a soma de todas as notas das provas e da redação, dividida por cinco, foi 499 em 2014 e 504,3 em 2013 para os concluintes do ensino médio - uma queda, portanto, de 1%. Percentual considerada estável pelo ministro. A Média ProUni da rede federal foi 588,8; da estadual, 477,7; da municipal, 494,8; e da privada, 556,7. O MEC disponibilizou as médias dos concluintes por tipo de escola e por nível socioecômico. Os estudantes foram divididos em sete níveis socioecnômicos, que vão de muito baixo a muito alto. Comparado o desempenho em um mesmo nível, os estudantes de escolas federais tiveram melhor desempenho, seguidos pelos estudantes de escolas particulares e pelas públicas estaduais e municipais.Entre os estudantes de nível socioeconômico muito baixo, as médias foram 487,1 nas federais, 446,4 nas privadas e 429,4 nas demais públicas. No nível muito alto, as médias foram 626,5 nas federais, 624,4 nas privadas e 618,3 nas demais públicas. Incluindo-se todos os candidatos, a Média ProUni foi 496,9 no exame. Em ciências humanas, a média de desempenho foi 546,5; em ciências da natureza, 482,2; em linguagens e códigos, 507,9; e em matemática, 473,5. Em redação, a média de todos os candidatos foi 455,4. As notas individuais serão divulgadas ainda hoje no site do Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Para ter acesso ao resultado, os candidatos precisarão do número de inscrição ou do CPF e da senha criada na hora da inscrição. A senha pode ser recuperada no próprio site.O Inep informou, no final da tarde, que o acesso ao endereço eletrônico estava lento, mas a instabilidade seria corrigida o mais rápido possível, de modo a liberar todas as consultas ainda hoje.

 Agência Brasil

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Robson Faria é o governador do RN

Robinson falou ainda sobre a motivação em ser "o melhor governador do Rio Grande do Norte" dito repetidas vezes durante a campanha eleitoral.
SELO-NOVO-GOVERNOO novo governador do Rio Grande do Norte Robinson Faria (PSD) iniciou o discurso de posse nesta quinta-feira (1º) de maneira emocionada. Ao falar sobre passado e futuro, Robinson relembrou a solidão política e afirmou "O maior aprendizado ainda está por vir".
"A minha vida se confunde com a força de todas as minha emoções. Me lanço ao passado com olhar na busca no que aprendi na escola da vida onde não há férias e com a humildade de perceber que o maior aprendizado ainda estar por vir pedindo matrícula ao futuro", destacou.
Robinson falou ainda sobre a motivação em ser "o melhor governador do Rio Grande do Norte" dito repetidas vezes durante a campanha eleitoral.
Leia a íntegra do discurso de posse do novo governador
O novo governador falou ainda sobre a "solidão política" que vivenciou nos últimos anos. "Nunca houve na história política do Rio Grande do Norte um candidato a governador tão abastecido de solidão. Dos líderes consolidados, o conselho era a desistência. De alguns aliados e outros, o conselho que a melhor solução seria a fuga ou a composição serviu de um acordo conveniente aos mesmos mandatários", argumentou.
Durante o discurso, Robinson falou ainda sobre os projetos da educação, como a erradicação do analfabetismo e da saúde, com a melhoria no atendimento a população.

educação - BRASIL, PÁTRIA EDUCADORA

RENASCE A ESPERANÇA NOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO:

Ouvir a Presidente Dilma afirmar que a educação será prioridade no seu 2º mandato, inclusive com o lema "Brasil, pátria educadora" faz a esperança de uma educação de qualidade (com salários dignos, escolas bem estruturadas, formação técnica, creches, formação continuada para professores, etc) finalmente tornar-se realidade por aqui e nos faz acreditar que valeu a pena defender nas ruas e em muitos outros espaços as suas promessas de campanha. Acredito que somente a educação pode incluir o Brasil no universo de países desenvolvidos. Esse é o caminho da verdadeira transformação. QUE NÃO SEJAM SOMENTE PALAVRAS!

 Prof Renier

Dilma põe educação em lema de governo e fala em extirpar corrupção

 A presidente Dilma Rousseff apontou a educação como o lema de seu novo governo e reafirmou o compromisso de "extirpar" a corrupção durante o discurso de posse de seu segundo mandato, realizado na tarde desta quinta-feira (1º), no Congresso Nacional, em Brasília.
"Nosso lema será: Brasil, pátria educadora", disse Dilma, que apontou a democratização do conhecimento como uma das metas de seu governo: "significa universalizar o acesso a um ensino de qualidade em todos os níveis."  
Segundo ela, ao longo deste novo mandato, a área começará a receber volumes mais expressivos de recursos oriundos dos royalties do petróleo. "Vamos continuar expandindo o acesso às creches, pré-escolas para todos, garantindo o cumprimento da meta de universalizar até 2016, o acesso de todas as crianças de 4 a 5 anos à pré-escola", relatou a presidente, que também citou avanços no Pronatec (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego), no Ciências sem Fronteiras e na educação em tempo integral. 
O lema do primeiro mandato de Dilma era "Brasil, um país de todos". Mas, apesar da mudança, a presidente disse que o "Brasil vai continuar como o país líder, no mundo, em políticas sociais transformadoras". 
Dilma também dedicou boa parte de seu discurso, que durou cerca de 40 minutos, para criticar a corrupção. "A corrupção ofende e humilha os trabalhadores, os empresários e os brasileiros honestos e de bem. A corrupção deve ser extirpada", disse ela, que propôs um "grande pacto nacional contra a corrupção, que envolve todas as esferas de governo e todos os núcleos de poder."
Em meio ao escândalo de subornos envolvendo a Petrobras, a presidente afirmou ainda que enfrentará "sem medo a luta contra a corrupção". "O povo brasileiro quer ainda mais transparência e mais combate a todos os tipos de crimes, especialmente a corrupção, e quer, ainda, que o braço forte da justiça alcance todos de forma igualitária. Não tenho medo de encarar esses desafios", afirmou ela.
Sem citar as denúncias, Dilma afirmou que "nunca" o país passou por um período tão longo sem crises institucionais e que "nunca se puniu tanto a corrupção, em todos os níveis". Ela afirmou que é preciso fazer mais para que o povo tenha a certeza de que todos podem ser punidos.
"Democratizar o poder significa lutar pela reforma política, ouvir com atenção a sociedade. Democratizar o poder significa combater energicamente a corrupção. A corrupção rouba o poder legítimo do povo", acrescentou a presidente, que voltou a defender a reforma política. "É inadiável, também, implantarmos práticas políticas mais modernas e éticas e por isso mesmo mais saudáveis. É isso que torna urgente e necessária a reforma política. Uma reforma profunda que é responsabilidade constitucional desta Casa, mas que  deve mobilizar toda a sociedade."
No discurso de 2011, Dilma já havia selado compromissos similares, quando disse que seria "rígida na defesa do interesse público. Não haverá compromisso com o desvio e o malfeito. A corrupção será combatida permanentemente, e os órgãos de controle e investigação terão todo o meu respaldo para atuarem com firmeza e autonomia."
Há quatro anos ela também teria defendido a reforma política: "a política é tarefa indeclinável e urgente uma reforma com mudanças na legislação para fazer avançar nossa jovem democracia, fortalecer o sentido programático dos partidos e aperfeiçoar as instituições, restaurando valores e dando mais transparência ao conjunto da atividade pública."

Eleições 2014

Na disputa mais apertada da história da política brasileira, Dilma foi reeleita com 51,64% dos votos e impediu a virada do senador mineiro Aécio Neves, candidato do PSDB, com uma diferença de 3,4 milhões de votos. Com essa vitória, o PT se consolida como o partido que ficou mais tempo no poder desde a redemocratização. Serão 16 anos à frente do Palácio do Planalto.
No primeiro discurso após a vitória, Dilma pediu união aos brasileiros e disse não acreditar que o país tenha saído dividido das eleições. "Não acredito, sinceramente, do fundo do meu coração, não acredito que essas eleições tenham dividido o país ao meio. Entendendo, sim, que elas mobilizaram ideias, emoções às vezes contraditórias, mas movidas por um sentimento comum, a busca de um futuro melhor para o país", afirmou.
Na ocasião, a exemplo do que ocorreu após os protestos de junho de 2013, a presidente voltou a falar em plebiscito pela reforma política. "Quero deflagrar essa reforma que é responsabilidade constitucional do Congresso e que deve mobilizar a sociedade num plebsicito por meio de uma consulta popular", afirmou. Ela também enfatizou o compromisso de estar "aberta ao diálogo" e de dar impulso à atividade econômica combatendo a inflação e a corrupção.

Papa ganha Lamborghini e decide leiloá-lo

O Papa Francisco foi presenteado nesta quarta-feira com um modelo especial da marca de automóveis de luxo Lamborghini, de cor branca, que ...