sábado, 4 de julho de 2020

Agradecimento à Prefeitura de Lajes

Recentemente este blog sugeriu à Prefeitura de Lajes limpeza de algumas áreas urbanas (retirada do mato, operação tapa buracos, limpeza de área verde em alguns prédios públicos), tendo todas as sugestões atendidas, ou seja, foram realizados todos os serviços, por isso merecem os parabéns todos que se empenharam na solução dos problemas elencados. 
Ao mesmo tempo, considerando outra necessidade que atende a toda população Lajense, em especial, àqueles(as) que se deslocam na BR 129 (perímetro urbano em Lajes entre a passagem molhada e o Posto Odon), praticando exercícios físicos ou se dirigindo ao IFRN; quando tem sido comum observar o tráfego de veículos em alta velocidade, concorrendo para a possibilidade de acidente fatal, envolvendo alguém que se desloca, seja praticante de caminhadas, corridas (mesmo em passarela para trânsito de pedestres), seja pedalando sua bicicleta; este blog sugere a implantação de redutores de velocidade que promovam maior segurança a quem por ali se desloca. Uma ação preventiva. Atente-se que nesse percurso se deslocam alunos, professores e funcionários do IFRN e moradores daquela área urbana. 
Um recado para os oportunistas que não enxergam um palmo além dos olhos: não tomem para si aquilo que sugerimos aqui como melhoria para a população. Este blog visa o bem comum e não se tornar visível politicamente. Embora saibamos que toda atividade humana carrega em si a política no seu sentido mais amplo.
escola antes da limpeza
escola após a limpeza
buraco tapado na BR 129


ginásio após limpeza
Passagem Molhada após recuperação



quarta-feira, 17 de junho de 2020

Contra o racismo

Há muito tempo escrevi este poema cuja temática perpetua-se, infelizmente. Até quando teremos o preconceito de cor. Essa estigmatização do ser humano pela cor de sua pele é inaceitável, sobretudo, uma atitude irracional, deplorável.

                  Policromasia 
Quero pintar um quadro... 
Nele, quero ser negro,
Sendo púrpura,
Sendo magenta,
Sendo rosa,
Sendo vermelho,
Sendo laranja,
Sendo amarelo,
Sendo oliva,
Sendo verde,
Sendo turquesa,
Sendo ciano,
Sendo celeste,
Sendo azul.
Sem ter dor,
Confundir-me nas cores,
Ser simplesmente um pintor.
Colorir a tela Vida
E obter o quadro Amor.
Que invenção: a cor!

                                                       Renier Luiz
fonte: Dois cravos e uma rosa.SILVA PAIVA, Vitória Maria Avelino da; MENDES, Renier Luiz Martins; SOUZA, Francisco Stefson de.

domingo, 7 de junho de 2020

ATENÇÃO! HOLOCAUSTO ANUNCIADO: caso as aulas presenciais retornem este ano.

Transcrevo aqui um texto que alude sobre a vulnerabilidade dos professores e alunos, caso ocorram o retorno das aulas presenciais este ano. Considero isso a possibilidade de um holocausto. Isso é muito sério.
 
PROFESSORES ESTÃO ENTRE OS PROFISSIONAIS MAIS VULNERÁVEIS À COVID-19, DIZ MÉDICO
Grande parte dos docentes tem inúmeras doenças ocasionadas pelo exercício da sala de aula, que por si só já é um espaço propício à propagação do coronavírus. Problemas físicos e psicológicos marcam a vida de muitos docentes, o que os torna mais frágeis nessa guerra contra a pandemia.
EDUCAÇÃO Segundo o médico Adalton N B Silva, consultado pelo Dever de Classe, os docentes estão entre os profissionais mais vulneráveis ao coronavírus. O especialista diz que muitos fatores pesam contra os educadores nessa guerra contra a pandemia, dentre os quais doenças adquiridas no exercício da sala de aula e esse próprio espaço de aglomeração em si, algo propício à disseminação da doença. Após o anúncio, ele diz que não aconselha volta às aulas agora e dá mais esclarecimentos.
Dr, por que os professores estão entre os mais vulneráveis ao coronavírus?
Contra os mestres pesam basicamente dois fatores, aliás, três, no caso de alguns. O primeiro é que muitos adquirem várias doenças no exercício da profissão, como problemas na garganta, doenças respiratórias, dores nas costas, esgotamento físico e mental, depressão etc. Isto baixa a imunidade dos mesmos e os torna, naturalmente, muito mais frágeis nessa guerra contra a pandemia.
E o segundo e terceiro fatores?
As escolas são espaços naturais de aglomeração, e as salas de aula mais ainda. Já imaginou uma professora ou professor numa sala com 20, 30, 40 ou mais alunos? Um perigo! Se não estiverem todos muito bem protegidos, o risco de contaminação é enorme.
Um terceiro fator também importantíssimo é que muitos professores têm mais de 50 anos e já estão debilitados por causa de outras doenças. Idade e doenças preexistentes compõem um coquetel que pode ser mortal para eles, caso se contaminem com coronavírus.
O senhor acha correto retornar às aulas agora?
Acho muito arriscado. Eu não aconselharia, sobretudo porque se sabe que ainda não há vacina ou qualquer medicamento eficaz no combate à doença. Por outro lado, nossas autoridades não têm condições ou não querem adaptar as escolas para esse retorno de forma segura. É melhor todo mundo continuar em casa por enquanto.
LEIA EM: https://www.deverdeclasse.org/l/professores-estao-entre-os-mais-vulneraveis-ao-coronavirus/

quinta-feira, 28 de maio de 2020

SOS passagens molhadas, limpeza de canteiros, escolas e outros em Lajes

Escola Marta Bezerra
Todo ano o mesmo cenário se repete em Lajes: matagal, buracos, lixo e água suja parada. Não é necessário a população está pedindo, reiteradamente, todos os anos que a prefeitura por meio de sua secretaria de serviços urbanos e obras realize a limpeza e retirada o matagal nos espaços urbanos e prédios públicos, isso é um constitutivo de qualquer prefeitura que protege o meio ambiente e, consequentemente, a saúde da população. Dengue e Chikungunya não desapareceram por completo; pelo contrário, se não houver prevenção, podem matar mais ou tanto quanto a Covid-19. 
Ginásio de esportes Kantarelly
Em Lajes é comum observar, por exemplo, espaços públicos onde as pessoas se exercitam, tomado pelo matagal ou buracos, favorecendo a proliferação de insetos e peçonhas que incomodam e põem em risco à saúde de todos. E o que dizer da buraqueira que se perpetua nas passagens molhadas, dificultando o tráfego de pessoas e veículos, oferecendo risco de acidentes graves.
SOS LIMPEZA URBANA EM LAJES. O povo agradece. 
Escola Marta Bezerra


BR 129 em Lajes






Ginásio Kantarelly

BR 129 (passarela)
BR 129 em Lajes

 

terça-feira, 19 de maio de 2020

Cumprindo a promessa de doação

Durante live do artista da terra Paulo Wilson, o professor Renier realizou doação de 50 litros de água sanitária (doou 60 litros) para a APAMI (Hospital de Lajes). Cumprindo a promessa, essa ação foi realizada, conforme o prometido. O Hospital atende a todos sem distinção e todos que ali trabalham sempre assistem os pacientes com muita educação e presteza. 

domingo, 17 de maio de 2020

UNIÃO PARA GARANTIR A VIDA, por Fátima Bezerra

A etimologia do termo pandemia diz: todo o povo. E o que vivemos nessa crise que afeta a humanidade, que já matou centenas de milhares de pessoas e impactou, mesmo que temporariamente, a economia mundial. Crise de dimensão sanitária, econômica e social, que em nosso país se soma a uma crise política e institucional. Infelizmente, o Brasil parece estar se tornando o novo epicentro da pandemia.
Temos figurado entre os países com maior quantidade de casos da Covid-19, mesmo sendo um dos países com menor volume de testagem, o que indica que os números reais são muito superiores aos apresentados.
A saída de dois ministros da saúde, em plena pandemia, escancara a falta de um comando único por parte do Governo Federal e um programa consistente de combate à Covid que, em parceria com os estados e os municípios, se voltaria para a aquisição de respiradores e EPIs, mais testes, habilitação de leitos de UTI, entre outras ações necessárias para esse enfrentamento.
Enquanto Governo do Estado, temos nos empenhado em enfrentar essa situação de forma séria, científica, equilibrada e ordenada. Dialogando com os vários segmentos da sociedade, em integração com os demais Poderes, temos adotado as medidas de restrição que nos orienta a ciência. Ao mesmo tempo, batalhamos dia a dia para a ampliação de leitos.
Mesmo em meio a incomensuráveis dificuldades de aquisição de insumos já conseguimos ampliar nossa rede em mais 225 leitos, sendo 139 de UTI e 86 clínicos.
Sabemos que o distanciamento social exige o sacrifício de todos e traz implicações difíceis, às quais temos buscado mitigar com políticas de assistência social e de apoio às empresas, mas ele é o caminho mais rápido e seguro para que possamos preservar a vida, recuperar a nossa economia e o convívio social e familiar.
As consequências do não distanciamento, por sua vez, não podem ser remediadas.
Ficar em casa, nesse momento, é um dever cívico e de respeito pela vida. As medidas que tomamos desde o início foram decisivas para que não entrássemos em colapso, mas é fundamental que esses regramentos tenham o engajamento das pessoas.
De nada adiantam os decretos ou regramentos se não tivermos um bom nível de adesão às medidas. Os baixos índices de distanciamento social que temos registrado têm sido objeto de preocupação e análise por parte do comitê de especialistas e do governo.
Atualmente temos ações judiciais em trâmite aqui no estado contrárias e favoráveis ao lockdown (ou confinamento), que é a medida mais extrema de distanciamento. Neste caso é preciso esclarecer: este é um Governo que dialoga com todos os setores da sociedade. mas em se tratando de medidas restritivas ou de retomada das atividades, quem nos dá a linha é o nosso comitê científico, que é uma instância de decisão onde se encontra também a Secretaria de Estado da Saúde Pública.
Sabemos que a baixa adesão ao distanciamento pode acarretar uma aceleração na propagação da doença e pressionar o sistema de saúde público e privado do Estado acima de sua capacidade. Portanto, faço aqui mais um alerta e um apelo: para a fiscalização e o cumprimento das medidas de isolamento é imperativa a participação das Prefeituras para que façam aquilo que está na competência dos municípios. Queremos contar com as lideranças comunitárias, com as igrejas, com os parlamentares, com a imprensa, com os artistas, com todos que possam ajudar a convencer a população daquilo que é o mais efetivo no controle da pandemia: o isolamento. Precisamos de todos para enfrentar esse inimigo comum que nos ameaça. E então poderemos, juntos, tirar lições importantes da pandemia, acreditando firmemente que vamos superar a guerra contra o vírus e garantir aquilo que nós dispomos de mais sagrado: a vida!
Fátima Bezerra

domingo, 10 de maio de 2020

A minha mãe (In Memorian)


Hoje, todos sabemos, é um dia especial. Anjos de Deus são todas as mães, incondicionalmente dedicam seu amor aos filhos ou às filhas, às vezes parecem ser onipresentes e oniscientes. E o são. À medida que avançamos na idade, percebemos isso; na maioria absoluta das vezes estão certas. Daí o dizer popular "coração de mãe nunca se engana".


In memorian:


Infelizmente não posso fisicamente abraçar minha mãe ( Josefa Martins), nunca digo que nos deixou, pois está presente em minhas ou nossas (filhos, netos, bisnetos) ações; está no exemplo de fé, solidariedade, humildade, ousadia, coragem e fidelidade à família.  Está e estará indubitavelmente em nossas veias, no pulsar dos nossos corações.



terça-feira, 5 de maio de 2020

domingo, 26 de abril de 2020

Quantos chás existem?

Existem muitos chás. o chá numa definição simplória é uma bebida preparada através da infusão de folhas, flores, raízes de planta do chá, geralmente preparada com água quente. Cada variedade adquire um sabor definido de acordo com o processamento utilizado, que pode incluir oxidação, fermentação, e o contato com outras ervas, especiarias e frutos. Tudo disponível na natureza. Mas da natureza humana também derivam alguns chás. 
 

quarta-feira, 22 de abril de 2020

sexta-feira, 17 de abril de 2020

Aglomerações comprometem todas as medidas de prevenção contra a COVID19 em Lajes

Pessoas em fila da Lotérica em Lajes no dia 17 de abril 2020
Hoje às 11h estive no mercado público de Lajes e fui à Lotérica fazer um pagamento e, inaceitavelmente, observei o que as imagens e o vídeo mostram. A pandemia sequer atingiu o seu pico no RN e as pessoas não se conscientizam de que devem assumir uma atitude de prevenção, protegendo a si mesmas e aos outros. Em alguns países, milhares morreram e ainda morrem exatamente por não terem acreditado na Ciência, como também não terem adotado(ou o fizeram tardiamente) aquilo que a OMS tanto sugere. Lembro-me de que durante a epidemia de dengue muitos não acreditavam que poderiam ser vitimados e somente se conscientizaram quando foram acometidos pela doença e tiveram que buscar socorro nos hospitais. Veja a vídeo abaixo: