segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Congresso aprova indicativo de greve para o dia 15 de março

114A1030O 33º Congresso da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) aprovou neste domingo (15) o indicativo de Greve Geral para o dia 15 de março. A mobilização da Confederação e entidades filiadas conta como principais reivindicações o fim ao golpe de Estado no Brasil, a não aprovação da reforma previdenciária e pelos investimentos necessários e previstos no Plano Nacional de Educação (PNE). Cada estado também poderá agregar os seus eixos específicos e locais.
De acordo com o presidente eleito da CNTE, Heleno Araújo, está prevista para o dia 8 de março deste ano a realização de assembleias deliberativas, com atos e passeatas, para deliberar sobre a Greve Geral. Também será formada uma coordenação nacional de greve geral com membros da diretoria executiva da CNTE e um representante de cada sindicato filiado. “No dia 25 de março, iremos avaliar o movimento grevista. Entre o período de 27 e 31 de março, observaremos a movimentação das afiliadas”, detalhou Araújo o calendário de ações da greve.

Mudança no Estatuto
Além do indicativo, os delegados também aprovaram uma renovação do estatuto da CNTE que amplia de três a quatro anos o mandato da diretoria executiva. A justificativa da Articulação Sindical/CTB/CSD/O Trabalho, entidades que propuseram a mudança, é que a alteração adequa a CNTE às estruturas estatuárias da CUT e da Internacional da Educação, além de reduzir os custos burocráticos sem prejudicar os debates políticos.
Com as novas resoluções aprovadas, também será dever da CNTE incluir na estrutura diretiva da entidade um departamento específico para a juventude da educação. Resoluções sobre Política Educacional, Balanço da CNTE, Políticas Permanentes e Plano de Lutas também foram aprovadas.

sábado, 7 de janeiro de 2017

CTB defenderá a educação pública com valorização profissional em congresso da CNTE


Entre os dias 12 e 15, a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) realiza o seu 33º Congresso, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília, com profissionais de educação do Brasil e do mundo.
“Realizar o nosso congresso neste momento é essencial para debatermos os graves retrocessos que a educação pública está sofrendo”, destaca Marilene Betros, dirigente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).
Ela ataca a reforma do ensino médio enviada ao Congresso através de uma medida provisória e aprovada pela Câmara dos Deputados recentemente. “É um grave retrocesso. Os profissionais da educação não vão se calar. Queremos que a educação avance para um patamar mais elevado, com ampla liberdade”, reforça.
Acesse o caderno de resoluções do congresso aqui.
A programação aqui.
Agora só falta o Senado votar essa medida. Betros afirma ainda que os docentes tiveram grandes avanços na carreira nos últimos anos e o governo golpista está pondo tudo a perder. “Esse projeto acaba com a obrigatoriedade de curso superior para lecionar e isso foi uma das nossas mais importantes conquistas para a valorização da carreira”.
A sindicalista critica a possibilidade de “termos professores e professoras por um suposto ‘notório saber’. Isso é uma falácia para desqualificar o magistério e acabar com os profissionais que atuam com dedicação e compromisso”.
“Parece brincadeira acreditar que qualquer pessoa possa lecionar, sem prejuízo para a qualidade do ensino. A formação dos profissionais da educação é fundamental para que educadores e educadoras sejam reconhecidos e valorizados”, afirma.
Lembra ainda que a Proposta de Emenda à Constituição 55, já foi aprovada e efetua drásticos cortes no orçamento da educação, congelando os investimentos e os salários dos servidores por 20 anos.
Ela garante que a CTB se mantém firma em defesa da educação pública, laica e de qualidade”. Para Betros, “não se pode mexer nessa área estratégica e essencial para o desenvolvimento do país, sem um amplo debate com toda a sociedade. Sem escola democrática o país não anda”.
Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

um dia especial

Hoje, muito feliz. Mais uma vez Deus se fez em minha vida com resultado de concurso PROFLETRAS (mestrado profissional em Letras). Fui aprovado...fiz minha parte, mas tenho certeza que uma força maior estava comigo durante as provas. Num dos momentos mais difíceis da minha vida...Aquele que não nos desampara, revelou-se. Postumamente, oferto minha aprovação a minha mãe (Zefinha) que já cumpriu sua missão nesse plano e recentemente fez sua passagem. Agora é estudar....estudar....e estudar.

13/12: na mesma data em que foi editado o AI-5, Senado deve aprovar PEC que liquida direitos

Nesta terça-feira (13), a partir das 10h, será votada no Senado em segundo turno a Proposta de Emenda Constitucional 55, a PEC da Morte, como tem sido chamada. A medida impõe um rigoroso teto para as despesas sociais do governo para os próximos 20 anos.
Por se tratar de uma alteração na Constituição, a proposta precisa ser aprovada por pelo menos três quintos dos parlamentares (49 dos 81 senadores). No primeiro turno, realizado há duas semanas, o placar foi de 61 votos favoráveis a 14 contrários. "Uma vitória consagradora", disse Renan Calheiros após a votação.
A PEC 55 está sendo apresentada pela equipe econômica do governo como tábua de salvação para a economia nacional, mas tem sido vista por muitos como a mudança que poderá afundar de vez a economia do país e levar com ela toda a população mais pobre, com reflexos em toda a sociedade, preservando apenas o setor financeiro e os segmentos mais ricos que raramente se abalam com os altos e baixos da economia nacional.
Na última sexta-feira, a PEC 55 foi condenada por relatores da Organização das Nações Unidas (ONU) em documento que destaca o "impacto severo" que terá a medida sobre a população pobre no Brasil, provocando "retrocesso social" e colocando "toda uma geração futura em risco". O diagnóstico é do australiano Philipe Alston, relator especial das Nações Unidas para a pobreza extrema e os direitos humanos.
"O AI-5 dos direitos sociais"
Em artigo na Carta Maior, o professor de ciência política Francisco Fonseca (FGV/Eaesp e PUC/SP) classificou a PEC 55 de "AI-55 dos direitos sociais". Ele observa que não se trata de mera coincidência o fato de a votação da PEC-55 ocorrer no mesmo dia em que foi editado o Ato Institucional número 5 (AI-5), em 1968, dando início à fase mais sombria da ditadura militar. 
Os momentos históricos trazem muitas convergências também. Naquele momento fatídico da história, o então ministro do trabalho da ditadura militar, Jarbas Passarinho, presente na elaboração do AI-5, expressou a perspectiva das Forças Armadas ao declarar: "Às favas, senhor presidente, com todos os escrúpulos de consciência”.
E, como compara Fonseca, hoje não está muito diferente:
"Neste 13 de dezembro de 2016, 48 anos depois, igualmente o consórcio golpista que está vitimando a democracia política e social brasileira está mandando às favas: o pacto político que instaurou a democracia institucional pós-1988, a Constituição de 1988, os direitos sociais e a sociedade de bem-estar social que vinha, aos trancos e barrancos, se estruturando no Brasil desde a década de 1930. Não é pouco!".
ai-5-passarinho.jpg
Reunião que aprovou o AI-5, em 1968 
Centrais e movimentos sociais apostam na mobilização das ruas e na pressão junto aos parlamentares para que a proposta não seja aprovada no Senado. Para isso, atos estão sendo organizados em diversos estados e uma concentração em Brasília fará vigília durante a votação.
Como diz Fonseca, que o 13 de dezembro de 2016 possa significar o começo do fim da ditadura do rentismo/neoliberalismo, sustentada pelos três poderes, pela mídia e pelas elites, sobre a sociedade brasileira, com impacto brutal sobre os mais pobres! Reverteria, assim, tanto o sentido trágico de 1964 quanto os nefastos efeitos para o futuro".
Leia o artigo completo aqui.
pec55-ctb1.jpg
Portal CTB

terça-feira, 22 de novembro de 2016

federais aprovam greve a partir de 5

Depois da mobilização dos estudantes da educação básica e universitários contra a PEC do Teto de Gastos e a Medida Provisória que reforma o ensino médio, propostas do governo Michel Temer (PMDB), os professores de ao menos 27 universidades federais aprovaram greve a partir de quinta-feira, 24, por tempo indeterminado, segundo a Associação Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes), principal sindicato da categoria.
A maioria das instituições é de Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Pernambuco.
"A conjuntura política está cada vez mais acirrada, a PEC foi aprovada na câmara sem discussão nenhuma com a sociedade. Por isso, sentimos a necessidade de ampliar a mobilização contra essas medidas", disse Eblin Farage, presidente da Andes.
Segundo Eblin, outras 17 instituições estão com indicativo de greve e devem votar a participação nos próximos dias. Entre elas, está a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) que aprovou indicativo de paralisação para os dias 28 e 29 de novembro. "As universidades já vivem hoje com um corte de gastos severo. A PEC vem para reduzir ainda mais o orçamento que já insuficiente para a manutenção das instituições."
De acordo com Eblin, os docentes também são contrários à "forma e conteúdo" que a reforma do ensino médio foi apresentada pelo governo Temer. "Primeiro, por ter sido uma mudança importantíssima e que querem empurrar sem nenhuma discussão. E segundo, por impactar diretamente nas universidades que formam os professores que dão aulas no ensino médio e que podem não ter mais suas disciplinas como obrigatórias na grade curricular", disse.
No ano passado, docentes e funcionário técnico-administrativos de 48 das 63 universidades federais do País ficaram mais de dois meses em greve contra os cortes orçamentários. A paralisação fez com que o início das aulas do segundo semestre fossem adiadas em algumas unidades e afetou em junho a matrícula dos aprovados no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que usa a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Mobilização

De acordo com o último levantamento da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), 223 universidades estão ocupadas no país contra as duas propostas. Também estão ocupadas 393 escolas - no fim de outubro o número passava de mil.
Com a pressão para a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e pela atuação mais forte das polícias para a desocupação de colégios, a mobilização contra as medidas do governo federal se concentraram nas universidades.
 
fonte:http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2016/11/22/professores-de-27-universidades-federais-aprovam-greve-a-partir-de-5.htm

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

NOTA DA EDUCAÇÃO CONTINUA RUIM DE ACORDO COM IDEB

A "nota" da educação no Brasil foi divulgada na manhã desta quinta-feira (8). E o resultado continua ruim, principalmente no ensino médio, etapa que vai do 1º ao 3º ano (antigo colegial).
O Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) 2015 do ensino médio ficou em 3,7 --numa escala que vai de 0 a 10. A média esperada para a etapa do ensino era de 4,3.
Considerado um dos principais gargalos do Brasil, o ensino médio mantém o índice de 3,7 desde a edição de 2011. O Ideb é calculado a cada dois anos. Os resultados da prova foram coletados no ano passado.
Segundo Mendonça Filho, ministro da Educação, o dado é "absolutamente negativo e coloca o quadro geral do Brasil abaixo do que foi fixado".

Ensino fundamental

No Ideb 2015 apenas os anos iniciais do ensino fundamental (1º ao 5º ano, antigo primário) conseguiram bater a meta (4,9) com o resultado de 5,5.
Os anos finais, do 6º ao 9º ano registraram 4,5, abaixo da meta de 4,7. A evolução em qualidade nessa etapa ficou abaixo do esperado.
Desde que o índice foi criado, os anos iniciais têm apresentado melhor desempenho, e o ensino médio tem tido mais dificuldade de avançar a qualidade.
Há no Congresso uma proposta para uma reformulação do antigo colegial, com flexibilização do currículo (em que os alunos pudessem escolher parte das aulas) e ampliação da carga horária (em direção à uma jornada de tempo integral de 7 horas).
"As soluções para a crise do ensino médio que surgirão no cenário para o público em geral devem desfilar vestidas de inovação: é mais do mesmo", critica Daniel Cara, coordenador da Campanha Nacional pelo Direito à Educação e blogueiro do UOL. "No entanto, novidade mesmo seria valorizar os professores, valorizar boa pesquisa pedagógica sobre o ensino médio, além de uma proposta de interação com os estudantes."
Para Daniel Cara, as ocupações das escolas por estudantes secundaristas são um reflexo da falta de identidade dessa etapa de ensino: "os estudantes estão clamando por uma nova pedagogia".

O que é o Ideb?

Criado em 2007, o Ideb é o índice que avalia a qualidade dos ensinos fundamentais e médio em escolas públicas e privadas. A "nota" do ensino básico varia numa escala de 0 a 10. Conforme meta do MEC, o Brasil precisa alcançar até 2021 a média 6 nos anos iniciais do ensino fundamental.
O indicador é divulgado a cada dois anos e é calculado com base nos dados do Censo Escolar (com informações enviadas pelas escolas e redes), e médias de desempenho nas avaliações do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), como a Prova Brasil.

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Adilson Araújo: Quem luta não tem o que temer


Por 61 votos contra 20 o Senado aprovou nesta quarta-feira, 31 de agosto, o impeachment da presidenta Dilma Rousseff. Ela foi afastada definitivamente do cargo para o qual foi eleita em 2014, que será indevida e ilegitimamente ocupado até 2018 pelo vice usurpador Michel Temer. Consumou-se, deste modo, um golpe de Estado contra uma mulher inocente em proveito de uma quadrilha de malfeitores envolvida dos pés aos pescoços nas lamas da operação Lava Jato, que usaram contra o PT e agora pretendem interromper.
O julgamento foi fatiado, dividido em duas votações a pedido da oposição e por determinação do presidente da sessão e do STF, Ricardo Lewandowski. A primeira decidiu pela perda do mandato. Em contrapartida, a segunda votação, em que foi colocada em questão a perda ou não dos direitos políticos, foi concluída com a vitória de Dilma. Seus algozes não conseguiram a maioria necessária para condená-la (foram 42 votos a 36, com três abstenções).
O resultado, eloquente e emblemático da crise de consciência de um grande número de senadores, é mais uma prova da inocência da presidenta, que ao contrário dos golpistas e beneficiários da farsa encenada no Congresso Nacional, não é alvo de nenhuma suspeita, denúncia ou inquérito relacionado à corrupção. O voto de 54 milhões de brasileiros e brasileiras foi anulado e substituído por uma eleição indireta feita por um colégio eleitoral restrito em que a maioria é acusada por envolvimento em processos de corrupção.
Pior que 1964
Livrar Temer e seus comparsas da cadeia é um dos objetivos do golpe que em parte já foi alcançado. Uma vez efetivado como presidente, o chefe da conspiração não pode ser alvo de investigação penal pelo menos até o fim do mandato, a não ser por crimes que venha a cometer no exercício da função. Agora o governo trabalha nos bastidores para livrar a cara do deputado Eduardo Cunha e impedir que venha a se transformar num perigoso e explosivo delator.
Mas isto não é tudo. O conteúdo principal do golpe é dado pelo caráter profundamente reacionário do projeto governamental, que consegue ser bem mais nocivo aos interesses da nação e seu povo do que o de 1964. “Foi um golpe de classe”, denunciou com muita propriedade o senador Lindbergh Farias. Urdido, com forte apoio do empresariado e da mídia burguesa, para satisfazer os interesses dos grandes capitalistas e das potências imperialistas.
Seus alvos são a classe trabalhadora, que corre o risco de perder direitos trabalhistas e previdenciários conquistados ao longo de uma luta multissecular, a democracia, mais uma vez desprezada pelas classes dominantes, e a soberania nacional. Os EUA já se apressaram a reconhecer o governo golpista e não escondem a satisfação com as medidas anunciadas e já em curso para saciar seu apetite imperialista: a mudança radical da política externa, agora voltada contra a integração e governos progressistas da América Latina, sob a liderança do golpista e testa de ferro Zé Serra Chevron. Foram agraciados ainda com a entrega do pré-sal ao capital estrangeiro, e o resgate da política de privatizações e do pesadelo neoliberal recorrentemente derrotados nas urnas.
A CTB reitera sua firme oposição ao governo ilegítimo emanado do golpe e a disposição de lutar com todas as suas forças e na mais ampla aliança democrática e popular contra a execução do projeto golpista, em defesa do interesse maior da nação e dos sagrados direitos da classe trabalhadora. Continuaremos resistindo, ocupando as ruas e gritando a todo pulmão: FORA TEMER.
Adilson Araújo, presidente nacional da CTB

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Eu e um nordestino que conquistou a maioria dos brasileiros

Se cometeu ilícitos...que seja julgado um dia pelos homens e por Deus. Entretanto não há desde 1985 ,com a redemocratização do país, um presidente melhor e que tenha feito mais pelos menos validos do que ele. Foto tirada em encontro dele com os movimentos sociais em Natal no Praia Mar Hotel em agosto de 2016. Um "boa sorte, companheiro!" que me ressoa e ressoará sempre que eu estiver nas ruas...frente a frente...olho no olho...cara a cara com aqueles e aquelas que me ouvirão durante campanha eleitoral este ano. " Andar com fé eu vou porque a fé não costuma falhar..." (Gilberto Gil). E assim será mais uma vez a minha caminhada nas veredas de mais um compromisso político no município e na cidade onde nasci e, hoje, moro: Lajes.

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

PCdoB Lajes/RN realiza sua Convenção

Em convenção do PCdoB na União Caixeral em Lajes no dia 05 de agosto. Candidaturas homologadas. Porque a luta não pode parar.Perseverar sempre.
 O partido apresentará 8 candidaturas a vereador, sendo 4 homens e 4 mulheres. A sigla é a mais antiga em atividade política no Brasil. Tem representação em quase todos segmentos da sociedade: sindicatos, associações, entidades estudantis, da juventude e da mulher, LGBT, educação (CTB - Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil entre outros.

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Lula em Natal...encontro com movimentos sociais

Com Carla pré vice-prefeita de Natal
No dia 02 de agosto Lula esteve em Natal num encontro com os movimentos sociais, sindicatos, centrais sindicais (CTB...CUT...LGTB...MST...SINTERN...UJS...). O encontro antecedeu a sua presença na convenção do PT que homologou as candidaturas a vereador e prefeito (Mineiro-PT) e vice-prefeito(Carla -PCdoB) em Natal.


Lula no momento m que chegou à mesa

movimentos sociais saudando Lula

domingo, 31 de julho de 2016

PCdoB Lajes unido

Reunião dos camaradas na casa do Prof Renier quando foram passadas informaçoes sobre convenção do partido, escolhidos os números dos candidatos e outras informaçoes. Nas fotos vê-se pré-candidatos(as) prof Renier, Conceição, Danieldo, Suely, Kiwal e o Diretor de organização Robson.


segunda-feira, 25 de julho de 2016

Pra que serve um vereador?

Acima de tudo, os vereadores servem para representar a sociedade na Câmara.
Ele é o político que deve estar mais próximo dos cidadãos, entendendo os problemas da cidade e buscando soluções. A cidade é onde as pessoas moram, trabalham e se divertem e os vereadores devem entender as demandas das diferentes classes e comunidades existentes na cidade e representá-los politicamente. Os vereadores estão mais próximos da população do que a prefeitura, e por isso muitas vezes servem como canalizadores de denúncias e reclamações para o poder público. Apesar da proximidade com os cidadãos, os vereadores não têm o poder de executar serviços públicos (como mandar consertar buracos em ruas e postes de iluminação queimados ou podar árvores). Mas então que poderes eles realmente tem?
Poder de fazer leis:
Os vereadores criam e votam projetos de lei para assegurar direitos aos cidadãos. Como as leis não se aplicam sozinhas, é papel da prefeitura fazer com que as leis sejam cumpridas. Os vereadores podem fazer leis, por exemplo, que tratem dos impostos municipais (como mudanças no IPTU), benefícios fiscais (como diminuir os impostos pagos por construções que sejam ambientalmente sustentáveis), ocupação do solo urbano (como determinar que em certa área da cidade só se possa construir prédios comerciais), proteção do patrimônio municipal (como tombar uma escola municipal) e a elaboração do orçamento anual da cidade.
Poder de fiscalizar:
Um dos poderes mais importantes dos vereadores é o de fiscalizar tudo o que a prefeitura faz, principalmente na aplicação de recursos para melhorar a cidade da forma como está previsto na lei orçamentária aprovada.
Mas devemos lembrar: “Com grandes poderes, vem grandes responsabilidades”. Mas então quais são as responsabilidades dos nossos vereadores?
A principal obrigação dos vereadores é participar ativamente das sessões da Câmara Municipal. Além disso, ele deve estar por dentro dos acontecimentos de sua cidade, trabalhar para solucionar os problemas dos cidadãos, acompanhar as obras públicas realizadas pela prefeitura, acompanhar a criação de comissões, fóruns e comitês, trabalhar junto aos movimentos sociais e serem cidadãos exemplares.
Além de grandes poderes e grandes responsabilidades, os vereadores também têm benefícios para poderem exercer sua função bem.
Imunidade parlamentar:
O vereador não pode sofrer ameaça judicial em decorrência de suas opiniões, palavras e votos no exercício de seu mandato. Se ele cometer um crime, no entanto, ele poderá ser preso, processado e julgado sem consulta prévia à Câmara.
Direito à renúncia:
O vereador tem direito de desistir do cargo para o qual foi eleito, basta escrever um ofício ao presidente da Câmara e informar ao Plenário. Assim que renunciar, seu suplente assumirá o cargo.
Direito a outro trabalho
O vereador pode exercer outra profissão remunerada desde que haja compatibilidade de horários.
Direito à remuneração
Todo vereador tem direito à remuneração
Benefícios do mandato
Os vereadores têm direito à assessoria e auxílios
Direito a licença
O vereador pode tirar licença (remunerada ou não) nos seguintes casos: para tratar de saúde, para cumprir missão de interesse do Município, para tratar de assuntos particulares, para assumir cargo municipal de confiança.
Mas também há limites:
O vereador não pode:
- Ser proprietário ou diretor de empresa que tenha contratos com seu município
- Eleger-se para outro cargo eletivo enquanto vereador
- Mover ação judicial contra ou a favor das pessoas jurídicas de direito público, autarquias, empresas públicas e empresas concessionárias de serviço público
- Exercer advocacia, caso assuma algum cargo titular ou de suplente na Mesa Diretora da Câmara.

fonte:  http://deolho.nossascidades.org/vereador

terça-feira, 19 de julho de 2016

ELEIÇÕES 2016

O período eleitoral bate à porta e com ele também a movimentação dos políticos para garantirem suas candidaturas nas convenções partidárias que deverão acontecer entre os dias 20 de julho a 05 de agosto. E nesse contexto, em nosso município, essa será uma eleição em que não teremos como candidatos os dois principais nomes que, durante os últimos 34 anos, foram sempre protagonistas da política municipal lajense, Edivan Lopes e Benes Leocádio.
Com isso, passamos a observar que essa será uma campanha política diferente e que, ao mesmo tempo, será determinante para o futuro político do nosso município nos próximos quatro anos. Por isso, torna-se importante que cada eleitor/cidadão reflita bem sobre o que representa essa escolha, e possa fazê-la de forma séria e comprometida com o futuro de Lajes, lembrando que o seu voto deverá levar em conta questões de interesse coletivo e não apenas individuais e ainda, que nessa oportunidade, você possa observar dentre os  candidatos, qual deles agrega as melhores condições para administrar nossa cidade, dando continuidade ao que temos de positivo e fazendo as mudanças que serão necessárias em uma nova gestão.
Para isso, será preciso que o eleitor também esteja bem atento, pois o que não faltará nesse período, são lobos com pele de cordeiros travestidos de candidatos, fazendo muitas propostas que sabemos não terem condições mínimas para realizá-las. Aguardemos...
fonte: blog Lajes do Cabugi (texto)

quarta-feira, 13 de julho de 2016

SENSAÇÃO DE INSEGURANÇA ATÉ QUANDO?


NOTA-0-225x300Não faz muito tempo que aconteceu algumas audiências públicas para resolver questões como da segurança onde foi prometido câmeras de monitoramento e também um toque de recolher para menores de idade a partir das 22 horas onde não seria mais permitidos ficar nas ruas em altas horas.
O que foi feito? Nada, ninguém até agora fez nada.
Somente continuam os menores de idade conduzindo motos e carros, cometendo delitos como assaltos em plena luz do dia, incendiando prédios, pinchando alguns veículos, arrombando escolas e pontos comerciais  e tantos outros. Isso sim continua acontecendo e a cada dia aumentando.
Tudo isso não é em Natal, nem em Parnamirim, muito menos em Mossoró, é em Lajes do Cabugi, uma pequena cidade com um pouco mais de onze mil habitantes.
Uma vergonha.

fonte: www.robsoncabugi.com.br

terça-feira, 5 de julho de 2016

"Doutrinação": Página de Paulo Freire na Wiki é alterada em rede do governo

Biografia de Paulo Freire na Wikipédia foi alterada no último dia 28 por rede do governo federal
Artigo que traz a biografia do educador Paulo Freire na Wikipedia foi alterado na tarde de ontem (28) com informações que atribuem a ele a origem da "doutrinação marxista" nas escolas e universidades. Grupo que monitora as alterações feitas em páginas da Wikipedia identificou que as mudanças partiram de uma rede do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro). No verbete editado, consta que Freire participou da última grande reforma da legislação educacional que resultou em um ensino "atrasado, doutrinário e fraco".
Em nota, o Serpro, empresa de tecnologia da informação do governo federal, disse que a alteração não partiu de suas instalações, mas de um órgão público federal que não pode ter o nome divulgado por questões contratuais. O Serpro administra a rede que provê acesso à internet tanto em instalações do próprio órgão como em instituições públicas em todo o país.
"A alteração realizada não partiu das instalações do Serpro, mas, sim, de um órgão público, cujo acesso à internet é administrado pela empresa. Entretanto, o Serpro não está autorizado, por questões contratuais, a divulgar informações de acesso de seus clientes à rede", diz o comunicado.

Bel Pedrosa/Folhapress
O pedagogo Paulo Freire, em sua casa em São Paulo, em foto de 1994
Os parágrafos inseridos no artigo foram retirados de um texto publicado no site do Instituto Liberal com o título "Paulo Freire e o Assassinato do Conhecimento". O texto é assinado por um integrante da rede Estudantes Pela Liberdade e do Movimento Universidade Livre.
As críticas aos ideais de Paulo Freire têm sido comuns nos recentes debates envolvendo o movimento "Escola sem Partido" que questiona as diretrizes curriculares e o debate político dentro das instituições de ensino, acusadas de "ideologizar" os alunos.
"Aí está uma das origens da nossa já conhecida doutrinação marxista nas escolas e universidades, que em vez de formar cidadãos e profissionais para o crescimento do país, forma soldados dispostos a defender com unhas e dentes o marxismo no meio acadêmico", diz o trecho de um dos parágrafos inseridos no artigo.

Obra

A principal obra do educador pernambucano Paulo Freire, "Pedagogia do Oprimido" (1968), é a terceira mais citada mundialmente em trabalhos da área de humanas, segundo um levantamento realizado no Google Scholar, ferramenta de pesquisa dedicada à literatura acadêmica. O pedagogo também é referência nacional nas pesquisas da área.
fonte:  http://educacao.uol.com.br/noticias/2016/06/29/doutrinacao

terça-feira, 28 de junho de 2016

Apenas 4,5% das escolas públicas do país têm infraestrutura prevista em lei

Levantamento foi feito com base no Censo Escolar de 2015 e levou em consideração componentes básicos para infraestrutura de qualidade.

alunos Apenas 4,5% das escolas públicas do país têm todos os itens de infraestrutura previstos em lei, no Plano Nacional de Educação (PNE), de acordo com levantamento feito pelo movimento Todos pela Educação. As condições de infraestrutura são mais críticas no ensino fundamental, etapa que vai do 1º ao 9º ano: 4,8% das escolas possuem todos os itens. No ensino médio, a porcentagem sobe para 22,6%.

O levantamento foi feito com base no Censo Escolar de 2015 e levou em consideração o acesso a energia elétrica; abastecimento de água tratada; esgotamento sanitário e manejo dos resíduos sólidos; espaços para a prática esportiva e para acesso a bens culturais e artísticos; e, equipamentos e laboratórios de ciências. Foi considerada ainda a acessibilidade às pessoas com deficiência.
Entre os itens mais críticos estão o laboratório de ciências —presente em apenas 8,6% das escolas públicas de ensino fundamental e 43,9% de ensino médio— e a quadra esportiva —presente em apenas 31% de todas as escolas públicas. Fatores básicos, como acesso à água tratada e esgoto sanitário, ainda não são universais, sendo verificados, respectivamente, em 91,5% e 37,9% das escolas públicas.
“O percentual de escolas bem equipadas é super baixo. Em muitos casos estão questões básicas como água potável e esgotamento. Esse percentual não melhora notavelmente. O investimento nas escolas sem dúvida vai estar prejudicado com crise econômica”, diz a superintendente do Todos Pela Educação, Alejandra Meraz Velasco.
Os itens são determinados no PNE, Lei 13005/2014, que estabelece metas e estratégias a serem cumpridas pelo país da educação infantil a pós-graduação, até 2024. O PNE estabelece também uma estratégia intermediária, de dois anos de vigência (prazo que terminou na última sexta-feira), quando o país deveria ter definido parâmetros mínimos de qualidade dos serviços da educação básica. Esses parâmetros seriam utilizados como referência para infraestrutura das escolas, recursos pedagógicos, entre outros insumos relevantes, bem como instrumento para adoção de medidas para a melhoria da qualidade do ensino. No entanto, isso não foi feito.
“Esses parâmetros servirão de referência para a infraestrutura e demais insumos. A partir deles, poderíamos definir outra questão do plano, que é o financiamento com o CAQi [Custo Aluno-Qualidade inicial]”, diz Alejandra. Os itens já expressos na lei deverão estar presentes nas escolas até 2024. A definição clara de parâmetros de qualidade, no entanto, poderá orientar melhor a infraestrutura e os gastos com educação.
Segundo Alejandra, enquanto alguns aspectos do PNE —como o financiamento e a Base Nacional Comum Curricular— têm mais destaque, o básico, que é definir uma cesta de insumos necessários, não tem sido discutido. Na opinião dela, trata-se de um assunto complexo e que varia conforme cada localidade do país. “Vai depender de itens que são necessários em diferentes lugares, de condições climáticas distintas. Isso que não vem sendo discutido, como lidar com a desigualdade no pais. Têm redes mais estruturadas, têm outras que precisam começar do zero, mesmo dentro das grandes metrópoles”.
ESTRUTURA X QUALIDADE
Não há uma comprovação unânime entre os estudiosos de que melhor infraestrutura significa necessariamente maior qualidade da educação. Para o professor da Universidade de Brasília Joaquim Soares Neto, no entanto, esse fator faz diferença no contexto brasileiro.
“Na realidade brasileira, infraestrutura está sim relacionada com qualidade de ensino. Temos uma grande desigualdade de infraestrutura e infelizmente as escolas menos equipadas atendem os alunos mais carentes. Os alunos vêm com uma dificuldade devido a diversos fatores e ainda chegam em escolas menos preparadas”, diz. Soares, que é membro do Conselho Nacional de Educação (CNE) e já foi presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).
Em 2013, Soares divulgou um estudo no qual cria uma escala para os itens de infraestrutura presentes na escola. Segundo o levantamento, a maior parte das escolas brasileiras (84,5%) apresenta uma estrutura elementar ou básica. Isso significa que tem apenas itens como água, banheiro, energia, esgoto e cozinha.
Na outra ponta, 0,6% das escolas apresenta uma infraestrutura considerada avançada, com sala de professores, biblioteca, laboratório de informática, quadra esportiva, parque infantil, além de laboratório de ciências e dependências adequadas para atender a estudantes com necessidades especiais
.fonte Agência Brasil

domingo, 26 de junho de 2016

Após 43 anos, Reino Unido decide em referendo abandonar a União Europeia

Com 52% dos votos a favor, o Reino Unido decidiu em um referendo realizado nesta quinta-feira (23) deixar a União Europeia (UE) após 43 anos de participação. 
Em declaração ao país, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, que era favorável à permanência na UE, anunciou a sua renúncia. Ele deve deixar o cargo em outubro. Durante os meses que antecederam o referendo, Cameron afirmou que o Brexit - união das palavras Britain (Grã-Bretanha) e exit (saída, em inglês) - poderia trazer graves consequências econômicas para o país.
"O povo britânico votou para deixar a União Europeia, e sua vontade deve ser respeitada. Será necessária uma liderança forte e empenhada”, disse David Cameron, ressaltando que outra pessoa deve liderar o processo de transição.
A taxa de participação no referendo foi de 71,8%, a maior em votações no Reino Unido desde 1992. Nigel Farage, líder do partido Ukip e defensor do Brexit, afirmou ser o "dia da independência" do Reino Unido.
A Inglaterra e País de Gales votaram fortemente a favor da saída, enquanto cidadãos da Escócia e da Irlanda do Norte optaram pela permanência no bloco. Em Londres, 60% dos votos foram pela permanência na UE. No entanto, em todas as outras regiões da Inglaterra, a maioria votou pela saída.
O Reino Unido é o primeiro país a sair da União Europeia desde a sua criação, mas a decisão não significa que ele deixará imediatamente de ser membro da UE. Esse processo pode demorar dois anos. Após o resultado do referendo, a libra caiu para o nível mais baixo em relação ao dólar desde 1985. 
A decisão da Inglaterra levou líderes políticos de outros países, como França e Holanda,a defenderem a adoção de referendo em seus países.
Portal CTB com agências

quinta-feira, 16 de junho de 2016

Ontem...hoje... amanhã...sempre na luta


...porque a fotografia, como representação fiel de uma realidade, não deixa dúvidas. Na verdade é muito difícil uma imagem que não traga um conceito por trás, já que toda foto é feita dentro de um contexto, de uma determinada época. Contudo, esse conceito pode ficar em segundo plano quando o valor da imagem é mais visual do que teórico.
EM ASSEMBLEIA FALANDO À CATEGORIA EM NATAL

NO PLENARINHO DA ASSEMBLEIA - VOLTANDO AO PCdoB

discutindo propostas - eleição SINTE - em rádio



com cartaz - candidatura à coordenação do SINTE
em assembleia da categoria professores - Natal
com presidentes estadual e municipal (Natal) do PCdoB e presidente da CTB/RN
defendendo a democracia


Eu , Erinaldo e Dorinha na defesa dos direitos dos professores em Lajes



com Canindé na defesa da democracia em Natal

porque a luta na deve parar...na rua em defesa da educação