Pular para o conteúdo principal

CTB defenderá a educação pública com valorização profissional em congresso da CNTE


Entre os dias 12 e 15, a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) realiza o seu 33º Congresso, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília, com profissionais de educação do Brasil e do mundo.
“Realizar o nosso congresso neste momento é essencial para debatermos os graves retrocessos que a educação pública está sofrendo”, destaca Marilene Betros, dirigente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).
Ela ataca a reforma do ensino médio enviada ao Congresso através de uma medida provisória e aprovada pela Câmara dos Deputados recentemente. “É um grave retrocesso. Os profissionais da educação não vão se calar. Queremos que a educação avance para um patamar mais elevado, com ampla liberdade”, reforça.
Acesse o caderno de resoluções do congresso aqui.
A programação aqui.
Agora só falta o Senado votar essa medida. Betros afirma ainda que os docentes tiveram grandes avanços na carreira nos últimos anos e o governo golpista está pondo tudo a perder. “Esse projeto acaba com a obrigatoriedade de curso superior para lecionar e isso foi uma das nossas mais importantes conquistas para a valorização da carreira”.
A sindicalista critica a possibilidade de “termos professores e professoras por um suposto ‘notório saber’. Isso é uma falácia para desqualificar o magistério e acabar com os profissionais que atuam com dedicação e compromisso”.
“Parece brincadeira acreditar que qualquer pessoa possa lecionar, sem prejuízo para a qualidade do ensino. A formação dos profissionais da educação é fundamental para que educadores e educadoras sejam reconhecidos e valorizados”, afirma.
Lembra ainda que a Proposta de Emenda à Constituição 55, já foi aprovada e efetua drásticos cortes no orçamento da educação, congelando os investimentos e os salários dos servidores por 20 anos.
Ela garante que a CTB se mantém firma em defesa da educação pública, laica e de qualidade”. Para Betros, “não se pode mexer nessa área estratégica e essencial para o desenvolvimento do país, sem um amplo debate com toda a sociedade. Sem escola democrática o país não anda”.
Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Citação do filósofo grego Aristóteles:"O ignorante afirma, o sábio duvida, o sensato reflete”.

;

Domingo, 25 de novembro de 2011, um dia que deve ficar registrado na história do municípío de Lajes: NÃO À DISCRIMINAÇÃO!... evento contra a homofobia deixou claro o que diz a Constuição Federal nos seus Direitos e Deveres Individuais e Coletivos entre outros "são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente da sua violação". 
INFORMANDO: Homofobia (homo, pseudoprefixo de homossexual, fobia do grego φόβος "medo", "aversão irreprimível") é uma série de atitudes e sentimentos negativos em relação a lésbicas,gays, bissexuais e, em alguns casos, contra transgêneros e pessoas intersexuais. As definições referem-se variavelmente a antipatia, desprezo, preconceito, aversão e medo irracional. A homofobia é observada como um comportamento crítico e hostil, assim como a discriminação e a violência com base em uma percepção de orientação não heterossexual.  ENTENDA…

No meu Nordeste, ANATOMIA do corpo humano é assim:

Consumo ou Cosumismo? É necessário consumir tanto para viver?

A diferença entre o consumo e o consumismo é que no consumo as pessoas adquirem somente aquilo que lhes é necessário para sobrevivência. Já no consumismo a pessoa gasta tudo aquilo que tem em produtos supérfluos, que muitas vezes não é o melhor para ela, porém é o que ela tem curiosidade de experimentar devido às propagandas na TV e ao apelo dos produtos de marca. No entanto, a definição de necessidade supérfluas é algo relativo, já que um produto considerado supérfluo para alguém pode ser essencial para outra, de acordo com as camadas sociais a que a população pertence. Isso pode gerar violência, pois as pessoas que cometem crimes na maioria das vezes não roubam ou furtam nada por necessidade, e sim por vontade de ter aquele produto, e de não ter condições de adquirí-lo. Nesses casos, a necessidade de consumo se torna uma doença, uma compulsão, que deve ser tratada para evitar maiores danos à pessoa. Muitas vezes o consumismo chega a ser uma patologia comportamental. Pessoas compram …